O olhar humano de quem assumiu o desafio de ajudar um país a se reerguer após ser devastado por uma guerra. A sensibilidade de quem enxerga o marketing político pelas lentes do interesse social e dos anseios das pessoas. O empresário que considera indissociável os negócios do ser humano.

 

Essas são apenas algumas das qualidades que o fotógrafo, publicitário e produtor cultural Sérgio Guerra, 60 anos, agrega à Objectiva Comunicação, empresa que se orgulha de representar um diferencial para a comunicação baiana, nordestina e brasileira há mais de três décadas. A parceria abre novas perspectivas para a empresa e para a publicidade, que ganha com o retorno de Guerra ao mercado brasileiro.

 

Após 25 anos vivendo em Angola, o recifense que consolidou uma carreira premiada e reconhecida na Bahia, está de volta a Salvador, agora como sócio da Objectiva.  E traz na bagagem não somente seus 40 anos de experiência profissional com a fotografia, a publicidade e as mais diversas expressões culturais. Carrega junto o legado de quem iniciou como assistente de laboratório, na Propeg, em 1981, passando também pela D&E, até fundar a agência Zellig e associar-se à Link Comunicação e Propaganda. E a vivência do menino que saiu do Recife junto com a família perseguida pela ditadura militar até tornar-se um dos nomes mais respeitados do marketing político nordestino, com participações em campanhas de nomes como Waldir Pires, Pedro Irujo, João Alves, Virgildásio Senna, Guilherme Menezes e Jaques Wagner, entre tantos outros.

 

 

 

Foi do outro lado do Atlântico, no entanto, que se realizou. Iniciando uma transição para Angola em 1997 e mudando-se definitivamente em 1999, pôde concretizar o projeto que faz seus olhos brilharem de uma forma especial: ajudar o país a superar os traumas de uma guerra. E não estamos falando do seu sobrenome, mas do conflito armado iniciado em 1975, imediatamente após Angola tornar-se independente de Portugal, que durou 27 anos e resultou em 500 mil angolanos mortos. Neste contexto, Guerra, o Sérgio, criou o programa Nação Coragem, na Televisão Pública de Angola, no qual fotografou e registrou o desenrolar do conflito, em todas as províncias do país, e possibilitou o reencontro das famílias separadas pela guerra, a batalha. “Diante de um cenário de destruição física e psicológica, buscamos promover um respiro de humanidade, por meio da comunicação. Foi uma experiência muito marcante, mostrando que, mesmo com tantas dificuldades, precisamos levar afetividade até as pessoas”, relata.

 

 

 

Além da experiência de comunicação estatal – e humana – em Angola, Sérgio Guerra tem também suas marcas no marketing político no continente africano, com atuação em campanhas eleitorais em Angola e Cabo Verde. Também lançou livros, produziu filmes, discos e DVDs, fundou seu próprio selo, Maianga, a Fundação Negro Amor, de apoio a projetos sociais em Salvador, e teve seis filhos. Tudo se entrelaça nesta trajetória admirável e constitui essa percepção humana de mundo intrínseca à sua face profissional e empresarial. E assim será também na nova etapa desta caminhada, agora junto à Objectiva. “É uma parceria que possibilitará trocarmos experiências e acumularmos vivências na comunicação. Vamos valorizar o que temos em comum e também buscarmos perspectivas a partir daquilo que nos complementa. É animadora a possibilidade de inovar nas perspectivas e estratégias, com resultados relevantes para nossos clientes num futuro próximo. Bom estar perto do que acreditamos e confiamos”, explica com otimismo diante da sua chegada à empresa.

 

 

 

É a parceria perfeita com a empresa que se apresenta com o lema de uma organização convergente, que, em 33 anos de história, construiu sólida experiência de transformação social por meio da comunicação, privada, pública, eleitoral, diversa e, sobretudo, humana. “A Objectiva sempre teve a marca de fazer comunicação de uma maneira inovadora, provocativa e com compromisso social. A chegada de Sérgio Guerra marca uma fase em que agregamos a necessidade de convergência, tanto nos negócios quanto nos espaços que ocupamos”, descreve Miguel Silveira, sócio da Objectiva.

 

 

 

“Ter um sócio como Sérgio Guerra é um privilégio quando se trata de negócio, identificação de filosofia de vida e histórico político. Ele é pensador, criativo sem deixar escapar o pragmatismo dos negócios e o valor do resultado para os clientes”, descreve Anaiçara Góes, também sócia da empresa. “Uma nova fase que deverá ser produtiva, inteligente e de novos desafios”, resume.